SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE E CUT

A ZEBRA í‰ JAPONESA, MAS...

Seleção da Alemanha dribla mordaça e explicita censura e falta de liberdade no paí­s da Copa de 2022

Nessa quarta-feira, 23, a Alemanha foi surpreendida ao perder o jogo para o Japão na estreia da Copa do Mundo, por 2 a 1. Porém, fora do campo, os alemães deram uma goleada ao driblarem a mordaça imposta pela Fifa quanto a denúncias de desrespeito aos direitos humanos e trabalhistas no Qatar.

O time alemão fez um protesto antes da partida ao posar para a foto oficial com a mão na boca, um gesto simples e poderoso e uma alusão í  atitude da Fifa de impedir que os capitães das seleções utilizassem uma braçadeira com as cores da bandeira LGBT+. A faixa “One Love” serviria para protestar contra a criminalização, no Qatar, de qualquer prática que fuja da heteronormatividade.

A Fifa ameaçou punir as equipes com cartões amarelos caso o protesto com as braçadeiras acontecesse, pois o item iria, supostamente, contra o regulamento da competição por conter mensagem polí­tica ou religiosa. De quebra, nas arquibancadas, a ministra do interior e da comunidade da Alemanha, Nancy Faeser, assistiu í  partida exibindo a braçadeira LGBT+ vetada pela Fifa.

Conforme o articulista do UOL Jamil Chade, ao longo dos anos, vimos como o monopólio do uso polí­tico do esporte está nas mãos dos polí­ticos e de seus dirigentes cúmplices. Aos demais, a lei estabelece a mordaça, um ato polí­tico. Com o argumento de se evitar a polí­tica no esporte, instituições e suas leis garantem que apenas quem está no poder possa politizar o esporte, o torcedor e a emoção .

A Fifa já havia proibido que a seleção dinamarquesa usasse, apenas nos treinos, uma camiseta com a mensagem direitos humanos para todos . Além de discriminação e restrições de direitos í  comunidade LGBT+ e í s mulheres (elas praticamente passam a vida inteira sob a tutela de um homem, seja pai, irmão, marido ou outro parente do sexo masculino), o Qatar é acusado de uma série de violações contra trabalhadores imigrantes, o que teria provocado a morte de cerca de 6,7 mil pessoas.

Fonte: UOL e Sico Notí­cias