SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE E CUT

TELETRABALHO

Fenajufe reivindica participação na comissão de gestão do CJF que discutirá teletrabalho

Na última segunda-feira, 16, a Fenajufe requereu assento na Comissão de Gestão de Teletrabalho, no âmbito do Conselho da Justiça Federal, como representante dos servidores e das servidoras do Judiciário Federal e do Ministério Público da União. O pedido foi feito em ofí­cio encaminhado ao Conselho da Justiça Federal (CJF), endereçado í  presidente do Conselho, ministra Maria Thereza Rocha de Assis Moura.

A comissão foi criada em dezembro de 2022, por meio da Portaria 735, para tratar do tema que, após resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), publicada em novembro daquele ano, tem provocado preocupação e insegurança na categoria. A normativa publicada pelo CNJ (resolução 481/2022) aprovou a limitação do número máximo de servidoras e servidores em teletrabalho a 30% do quadro permanente da vara, gabinete ou unidade administrativa.

A federação entende que a mudança implicará em modificações profundas e nocivas í  atual sistemática de trabalho no campo do Poder Judiciário. Para a Fenajufe, houve falha do CNJ ao elaborar matéria sem diálogo com a categoria e por desconsiderar a realidade dos servidores de norte a sul do paí­s, bem como a efetiva prestação jurisdicional nos últimos dois anos.

No mesmo documento, a Fenajufe reforça que sua atuação permeia a defesa de todos e todas servidores e servidoras do Poder Judiciário Federal e do Ministério Público da União, seja no campo judicial, administrativo, polí­tico e, até mesmo, de base. É nesse sentido que a federação requer assento na Comissão de Gestão de Teletrabalho no âmbito do Conselho da Justiça Federal, a fim de que a categoria seja escutada por este Conselho.

A federação protocolou no final do ano passado uma petição com 10 mil assinaturas pela suspensão imediata da Resolução CNJ 481/2022, que determinou ainda que os tribunais cumpram a medida e façam readequação em seus quadros em até 60 dias. Além disso, a Fenajufe enviou o abaixo-assinado por e-mail aos gabinetes de todos os conselheiros e ministros do CNJ pedindo reavaliação da matéria. O protocolo foi feito no pedido de providências da Fenajufe que tramita no Conselho.