SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE E CUT

DIA DO TRABALHADOR E DA TRABALHADORA

Caxias do Sul, Pelotas e Santa Maria confirmam atos de 1º de Maio; veja as informações para essas cidades e para Porto Alegre

O Dia do Trabalhador e da Trabalhadora terá, no Rio Grande do Sul, mobilizações no 1º de Maio em Porto Alegre e no interior do estado. O Sintrajufe/RS irá participar das manifestações.

No interior, estão confirmados atos em Caxias do Sul, Pelotas e Santa Maria.

Em Caxias, será realizado um ato-show a partir das 13h30min, nos Pavilhões da Festa Nacional da Uva, com sorteio de brindes, atrações para crianças e shows com diversas bandas.


Em Pelotas, a mobilização terá início às 15h e segue até as 20h, na esquina das ruas José do Patrocínio e Conde de Porto Alegre, com atrações culturais em uma parceria entre a CUT Regional Sul e o Sofá na Rua.


Já em Santa Maria, haverá ato político-cultural às 14h, na Praça General Osório (Praça do Mallet). Além das manifestações sindicais, no local também ocorrerão apresentações artísticas, exposição de artesanato e de outros materiais.


Mobilização em Porto Alegre terá shows e caminhada de protesto

Em Porto Alegre, haverá ato unificado, reunindo as centrais e diversos sindicatos, inclusive o Sintrajufe/RS. O início será às 13h30min, na Casa do Gaúcho (rua Otávio Francisco Caruso da Rocha, 303). No local, haverá falas ao microfone e shows musicais com Produto Nacional, Florisnei Thomaz, Samba Delas e João de Almeida Neto. A entrada é gratuita. Às 17h, os manifestantes deverão sair em caminhada até a Usina do Gasômetro.


A mobilização do 1º de Maio também irá preparar a Marcha a Brasília, que acontece no dia 22 de maio. A Marcha terá como objetivos apresentar ao governo Lula (PT) e ao Congresso a pauta da classe trabalhadora e abrir um canal de diálogo e negociação para retomar direitos retirados nos últimos anos. Também buscará avançar na construção de garantias de mesa de negociação com o funcionalismo público (Convenção 151 da OIT). As entidades pretendem entregar documento com a pauta para o governo federal, o Senado, a Câmara e ministérios. Encabeçam as reivindicações da Marcha a revogação da reforma trabalhista e da lei da terceirização; revogação da reforma da Previdência, entre outras.