SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE

DIA DE LUTA

No 1º de Maio, Sintrajufe/RS participa e convoca ato estadual por empregos, vacina e fim do governo Bolsonaro

Ler conteúdo

No próximo sábado, Dia do Trabalhador e da Trabalhadora, o Sintrajufe/RS participa de ato estadual em frente à prefeitura de Porto Alegre, das 10h às 12h. O “1º de Maio pela vida”, no Rio Grande do Sul, tem como eixos a defesa da democracia, do emprego, da vacina para todos e todas, contra as privatizações e pelo fim do governo Bolsonaro.

A atividade é organizada pelas centrais sindicais e reunirá categorias do serviço público e da iniciativa privada. Das 10h às 16h, haverá posto de coleta de alimentos, em sistema drive thru.

Os ataques aos direitos da classe trabalhadora se intensificaram com o golpe de 2016, com a ampliação da terceirização, a reforma trabalhista e previdenciária. Além disso, outras mudanças na legislação aprofundaram a precarização no trabalho na iniciativa privada, situação agravada com a pandemia.

No serviço público, o congelamento do orçamento, determinado pela emenda constitucional (EC) 95/2016, foi agravado pela EC 109/2021, que pode congelar salários e outras despesas, incluindo União, estados e municípios, se determinados gatilhos forem atingidos. Soma-se a isso a reforma administrativa (PEC 32/2020), que tramita no momento na Câmara dos Deputados e pode significar, na prática, o fim dos serviços públicos.

Os governos de Eduardo Leite (PSDB), em nível estadual, e Jair Bolsonaro (sem partido), nacionalmente, usam a crise na saúde para acelerar reformas e privatizações que reduzem o atendimento público em áreas fundamentais, afetando diretamente a população mais vulnerável.

A classe trabalhadora, em seu conjunto, está sendo atacada. E é a organização unificada que pode fazer frente a esses ataques. A falta de enfrentamento da pandemia já levou à morte quase 400 mil brasileiros e brasileiras. A presença de todas e todos os que lutam por vacinas, empregos, contra a reforma administrativa e as privatizações e pelo fim do governo genocida de Bolsonaro é bem-vinda.

1º de Maio tem origem nas lutas dos trabalhadores e das trabalhadoras e seus sindicatos

Em um congresso socialista realizado em 1889, em Paris, o 1º de Maio foi proclamado como data internacional de luta dos trabalhadores e das trabalhadoras. A escolha da data foi uma homenagem à greve geral que aconteceu em 1º de maio de 1886, em Chicago. A cidade era o maior polo industrial dos Estados Unidos.

Trabalhadores e trabalhadoras de Chicago reivindicavam redução da jornada e melhores condições de trabalho. A greve levou milhares de pessoas às ruas, e elas foram fortemente reprimidas pela polícia, incluindo diversas prisões. Em 9 de outubro de 1886, dirigentes do movimento foram julgados: cinco deles foram condenados à morte por enforcamento; dois à prisão perpétua; e um deles, a quinze anos de prisão.