SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE E CUT

BICHO DE LÍNGUA GRANDE

Juiz do Ceará é afastado após humilhar, durante audiência, mulheres ví­timas de abuso

No iní­cio do mês de agosto, repercutiu na imprensa o caso de um juiz do Ceará que humilhou mulheres ví­timas de abuso sexual. A situação ocorreu em uma audiência no dia 26 de julho, e, na última quinta-feira, 10, o juiz Francisco José Mazza Siqueira, da 2ª Vara Cí­vel de Juazeiro do Norte, foi afastado.

A audiência ouvia dez mulheres que denunciavam o médico Cí­cero Valdizébio Pereira Agra por violência sexual, em casos ocorridos em 2021, em meio a atendimentos. Durante a audiência, enquanto eram colhidos depoimentos de mulheres que acusavam o médico, o juiz rebatia as denúncias afirmando que mulheres são bicho da lí­ngua grande e que chutam as partes baixas .

Uma das ví­timas relatava ter sido tocada nas partes í­ntimas sem consentimento, quanto o juiz reagiu afirmando que, quando era professor, era assediado por alunas: Tinha aluna que chegava se esfregando em mim “ aqui não tem nenhuma criança, todo mundo é adulto “, e dizia: ‘professor, não sei o quê, não sei o quꦒ, eu dizia: ‘minha filha, é o seguinte, quando eu deixar de ser seu professor, você faça isso comigo’ , disse o juiz. Em outro momento, afirmou que quem acha que mulher é boazinha, estão tudo enganado, viu. Eita bicho¦ bicho de mão pesada, bicho da lí­ngua grande e que chuta as partes baixas é mulher .

A decisão de afastamento foi tomada pelo órgão Especial do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), de forma unânime. O colegiado acompanhou o voto da corregedora-geral da Justiça, desembargadora Maria Edna Martins, que pediu o afastamento cautelar e provisório do magistrado pelo prazo inicial de 90 dias. Na apresentação do voto, a corregedora-geral também ressaltou que existe uma outra sindicância em andamento em desfavor do magistrado. No perí­odo do afastamento, o juiz fica proibido de frequentar as unidades do Poder Judiciário, bem como ter acesso aos sistemas e manter contato pessoal com outros servidores e magistrados.

Sintrajufe/RS oferece suporte e apoio a colegas que sofrerem assédio no Judiciário Federal e no MPU no RS

O Sintrajufe/RS disponibiliza atendimento para as e os colegas que sofrerem assédio moral ou sexual; o enfrentamento dessas e de outras violências no trabalho é uma das prioridades da entidade. Além da participação de representantes da categoria nas comissões de combate ao assédio nos órgãos, o sindicato mantém atendimento interdisciplinar para esses casos. É importante a denúncia pelas ví­timas não só para a punição do assediador, mas também para que outras pessoas se sintam encorajadas a fazê-lo.

Veja os canais para obter suporte da Saúde e do Jurí­dico do Sintrajufe/RS:
E-mail: [email protected] ou [email protected]
Telefone: (51) 3235-1977

Com informações do portal G1