SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE E CUT

LGBT+

26ª Parada Livre de Porto Alegre ocorre em 10 de dezembro na Redenção

A 26ª edição da Parada Livre de Porto Alegre, a segunda mais antiga do país, acontece no próximo domingo, 10, a partir das 12h, no parque da Redenção. O Sintrajufe/RS é um dos apoiadores da atividade que celebra a luta por direitos da comunidade LGBT+ e que, nesta edição, tem como tema “Transgredir e transar direitos para todes”. A expectativa da organização é de que 100 mil pessoas, de diferentes partes do estado, participem. Ao longo dia, haverá diversas atividades culturais e atendimentos de organizações da sociedade civil e órgãos públicos.

A Parada começa às 12h, com abertura do Coletivo Mães pela Diversidade. Até as 16h, haverá vários shows. O início da caminhada será às 16h com participação de nove trios elétricos. No retorno à Redenção, as atividades continuam, com música conduzida por DJs, até as 22h.

O tema “Transgredir e transar direitos para todes” foi escolhido tendo em vista o crescimento, mundialmente, do discurso e da agenda antitrans. Além disso, dados analisados pela ONG Transgender Europe demonstram que o Brasil segue sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo. As organizações da sociedade civil que planejam e constroem a Parada Livre destacam, em nota conjunta, que “de olho nos obstáculos que materializam a homotransfobia nos cotidianos de nossas existências, construímos coletivamente um posicionamento que nos fortaleça de maneira democrática e livre. Assim, nossos temas se conectam, refletindo e impulsionando a história, em motes que refletem nossas vivências e possam representar nossa voz”.

Ao longo do dia, serão oferecidos diferentes serviços e ações, articulados entre organizações da sociedade civil e poder público, para promoção da cidadania de pessoas LGBT+ na chamada Rua dos Direitos. A Defensoria Pública do RS, o Instituto Geral de Perícias, a Secretaria Municipal de Saúde e a Ouvidoria da Defensoria Pública estarão presentes com quiosques, tendas e gazebos.

A CUT/RS estará presente com uma banca, distribuindo materiais, como botons e bandeiras, e também vendendo outros produtos, como camisetas e bonés.

A 26º Parada Livre de Porto Alegre é organizada por 20 entidades da sociedade civil: Nuances, Igualdade, Somos, Outra Visão, G8 – SAJU/UFRGS, Juntos LGBT, Mães pela Diversidade, Escoteiros do RS, Homens Trans em Ação, Coletivo Amora, NUDS – Núcleo de Diversidade do Sintrajufe/RS, CAESC\UFRGS, Instituto Teia – Direitos Humanos, Transenem, Rede LésBi, Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV/Aids – RS, Homens Negros Trans e Transmasculines em Diáspora, MQ Colorido, Coletivo Moradia LGBTQIAPN+ RS e Acarmo LGBT Negritude.

A diretora do Sintrajufe/RS Luciana Krumenauer está na organização da Parada Livre e convida toda a categoria a participar. Ela explica o tema deste ano brinca com a palavra “transar”, mas aponta que essa é uma questão importante, de mostrar que as pessoas têm que ficar atentas aos direitos já conquistados, “pois todo dia querem retirá-los”. A diretora ressalta que, quando se sai dos limites da heteronormatividade, a comunidade LGBT+ é continuamente atacada. A Parada é um espaço de reflexão, de confraternizaçã e também é um momento de festa, um espaço seguro, “porque estamos entre os nossos, entre olhares que vibram o colorido, com muito amor e respeito”. Luciana ressalta que a Parada tem o poder de levar para as pessoas a sensação de pertencimento e mostrar que a comunidade LGBT+ pode estar em todos os lugares: “depois que a gente conquistou nossos espaços, a gente não vai mais desocupá-los”.

Com informações da organização da Parada Livre de Porto Alegre