SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE E CUT

EMPOBRECIMENTO

Apenas 31% dos reajustes ficam acima da inflação em julho; 47% dos reajustes foram abaixo do IPCA

Cálculo apresentado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) demonstra em números os efeitos da crise econômica para os trabalhadores e as trabalhadoras do Brasil. Em julho, mais uma vez, os reajustes salariais conquistados por diferentes categorias ficaram, em quase metade dos casos, abaixo da inflação; apenas um terço ficou acima.

O estudo do Dieese é feito com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA). Em julho, 47,3% dos reajustes ficaram abaixo da inflação acumulada nos últimos 12 meses. Por outro lado, 31,8% dos reajustes foram acima do IPCA acumulado. Ainda, 20,8% dos registros foram de reajustes iguais à inflação para 12 meses.

Em relação ao acumulado do ano, o cenário é muito semelhante e, mais uma vez, ruim para os trabalhadores e as trabalhadoras: 20,7% dos reajustes negociados ficaram acima da variação do INPC, 35,4% tiveram valores iguais a esse índice e 43,9% não repuseram nem a inflação.

Granada no bolso do povo

Enquanto a renda média dos trabalhadores vem caindo, a inflação não para de subir, prejudicando o poder aquisitivo da população. Cresce a quantidade de trabalhos precários e a informalidade, caem os salários e os direitos.

No serviço público, os gastos do governo com pessoal atingiram o menor patamar em 26 anos. A despesa com pessoal nos serviços públicos, que já representou 4,2% do Produto Interno Bruto, deverá cair a 3,4% no final deste ano – e do mandato de Bolsonaro, o menor nível da série histórica, iniciada em 1997. Ao mesmo tempo, Bolsonaro derrubou em quase 10% o número de servidores em atividade, chegando a cerca de 570 mil, menor quantidade em 13 anos – em 2019, quando Bolsonaro assumiu, eram 630 mil trabalhadores e trabalhadoras no setor.

A “granada no bolso”, que Paulo Guedes admitiu ter colocado no bolso do que caracterizou como “inimigos”, os servidores públicos, atinge a maioria da população brasileira. Salários menores, serviços oferecidos de forma cada vez mais precária pelo Estado e direitos reduzidos a cada dia, essa é a realidade que Bolsonaro vem entregando aos brasileiros e brasileiras.