SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE E CUT

CULTURA

Na mesma semana, música brasileira perde Bebeto Alves e Gal Costa

Nesta semana, a música brasileira perdeu dois importantes artistas. Bebeto Alves, 68 anos, cantor e compositor gaúcho, morreu na última segunda-feira, 7, e Gal Costa, 77 anos, cantora baiana, nesta quarta-feira, 9.

Bebeto Alves, dono de uma trajetória de 40 anos, teve 18 álbuns lançados, entre carreira solo e muitas parcerias, entre eles, o projeto Juntos, com Totonho Villeroy, Nelson Coelho de Castro e Gelson Oliveira. Bebeto deixa pegadas na música do Rio Grande do Sul, como diz o seu álbum de mesmo nome, lançado em 1987.

Gal Costa, possuidora de uma das vozes mais belas e potentes, alcançando agudos inimagináveis, í­cone da música popular brasileira, deixa uma carreira tão longa (57 anos) quanto rica. Ficou conhecida ao lado de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Maria Bethânia, com o grupo Os Doces Bárbaros, responsável pelo disco Tropicália ou Panis et Circensis , sí­mbolo do movimento Tropicalista. Desde lá, acumulou hits como Baby , Sua estupidez , Vaca Profana , entre muitos outros.

Ambos os artistas deixam um legado cultural muito rico e importante, que não se encerra com a partida deles, uma vez que plantaram sementes da boa música e da resistência. Partiram, mas suas obras permanecerão para sempre vivas. Como escreveu Caetano Veloso, em letra eternizada na voz de Gal Costa, em plena ditadura civil-militar, É preciso estar atento e forte, não temos tempo de temer a morte .