SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE E CUT

DE MÃOS DADAS COM LIRA

Evento de empresários em Caxias do Sul defende reforma administrativa; atividade acontece após pedidos de Lira por pressão do empresariado sobre o governo

Na última segunda-feira, 4, um evento promovido pela Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC Caxias) foi palco para a defesa da reforma administrativa que aguarda votação no Congresso. A proposta de emenda à Constituição (PEC) 32/2020 acaba com a estabilidade de servidores e servidoras e com os concursos públicos e abre as portas para a privatização dos serviços públicos.

O evento aconteceu em meio a uma série de participações do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), em debates empresariais nos quais tem instado o setor a pressionar o governo Lula (PT) pela aprovação da reforma. A PEC foi proposta no governo de Jair Bolsonaro (PL) e é parte central da agenda derrotada nas últimas eleições, mas Lira tem atuado para emplacar a proposta mesmo assim.

Nessa segunda, a CIC Caxias promoveu debate tendo como um dos convidados Cristiano Noronha, vice-presidente da Arko Advice, que assessora empresas em relações governamentais e análises de conjuntura. Noronha defendeu a reforma administrativa como medida para “equilibrar” as contas públicas, e avaliou que a matéria pode entrar na pauta do Congresso no próximo ano, desde que o governo sofra pressões nesse sentido: “Não que o governo queira fazer, mas pode ser pressionado a fazer”, disse.

Presidente da CIC Caxias defendeu empresários golpistas e agora quer restrição de gastos

O presidente da CIC Caxias, Celestino Loro, fez a fala de abertura no encontro e, conforme matéria do jornal Pioneiro, “manifestou apreensão com a ausência de restrições aos gastos governamentais”. A posição de Loro não é novidade. No final de junho, ele foi claro em sua defesa do Estado mínimo: “Estamos ansiosos para ver temas caros para o mundo empresarial evoluírem. Redução do tamanho do Estado, privatização de empresas públicas deficitárias, enfim, reforma administrativa. Nós precisamos redesenhar o tamanho do Estado, o Estado está muito grande, está muito pesado, está muito oneroso e precisa ser redesenhado”, disse.

Em agosto do ano passado, o presidente da CIC saiu em defesa dos empresários investigados por defenderem um golpe de estado caso Lula (PT) vencesse as eleições. Quando o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou o inquérito contra os empresários, Celestino Loro discursou em evento da CIC denunciando o que chamou de “afronta à democracia e à liberdade de expressão” por parte do Supremo. “Temos de ter nosso direito assegurado de pensar livremente e emitir opiniões, sejam quais forem”, completou.

Ataque a concursos públicos, estabilidade e precarização

A proposta de reforma administrativa acaba com concursos públicos e substitui servidores que ingressam pela porta da frente por contratos temporários de até 10 anos, facilitando a entrada de apadrinhados nos municípios, estados e na União, piorando a qualidade dos serviços públicos e multiplicando cabides de emprego para cabos eleitorais. Lira quer aprovar a PEC 32 para mudar os regimes de contratações para rebaixar salários e ao mesmo tempo reforçar nacionalmente a privatização e terceirização de serviços básicos como a saúde e a educação através de Organizações Sociais ou diretamente para empresas, como já ocorre em diversos municípios brasileiros.

A reforma administrativa afeta servidores e servidoras das três esferas, dos três poderes, atuais e novos, da ativa e aposentados. Mesmo que, em um primeiro momento, somente os novos não teriam direito à estabilidade, os atuais servidores e servidoras seriam submetidos a avaliações de desempenho que poderiam, por exemplo, ser negativadas por participação em greves ou por perseguições políticas. Importante lembrar que a atual legislação já prevê a demissão de servidores e servidoras estáveis, mas a PEC 32/2020 inclui ferramentas que favorecem a pressão, o assédio e a ameaça nos locais de trabalho. Os atuais aposentados e pensionistas que têm direito a paridade e integralidade também seriam atingidos, pois estariam vinculados a carreiras em extinção.

Sintrajufe/RS realiza campanha contra PEC e convoca categoria para ato no dia 13

O Sintrajufe/RS acaba de lançar uma nova campanha contra a reforma administrativa, com o seguinte mote: “Lira, o povo escolheu: mais e melhores serviços públicos. Não à PEC 32!”. Acompanhe os vídeos e demais materiais da campanha nos meios de comunicação do Sintrajufe/RS e compartilhe com seus colegas!

Já para o dia 13 de setembro, o sindicato está convocando a categoria para o Dia Nacional de Mobilização, marcado pela Fenajufe. Estarão em pauta, nas manifestações, o combate à reforma administrativa e também a defesa da antecipação da última parcela da reposição salarial da categoria. Em Porto Alegre, o ato público acontece no prédio-sede da Justiça Federal, às 14h. O Sintrajufe/RS também está orientando os e as colegas do interior do estado a realizarem concentrações e outras atividades de mobilização na frente dos prédios do Judiciário Federal.

Veja todas as informações sobre o Dia Nacional de Mobilização AQUI.