SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE E CUT

DESIGUALDADE

Fortuna dos cinco homens mais ricos do mundo duplica desde 2020 enquanto 5 bilhões de pessoas ficam mais pobres

A fortuna dos cinco homens mais ricos do mundo mais que dobrou desde 2020, chegando a 114% e passando de 405 bilhões dólares para 869 bilhões. Isso corresponde a 14 milhões dólares por hora. No mesmo perí­odo, no entanto, quase cinco bilhões de pessoas ficaram mais pobres. O levantamento é do novo relatório Desigualdade S.A., lançado dia 15 pela Oxfam, organização que faz parte de um movimento global contra a pobreza, a desigualdade e a injustiça.

Os nomes dos cinco homens ricos do mundo foram retirados da lista em tempo real da revista Forbes em novembro de 2023. Estavam no topo Bernard Arnault (LVMH, produtos de luxo), Jeff Bezos (Amazon), Warren Buffet (mercado financeiro), Larry Ellison (Oracle) e Elon Musk (Tesla).

O relatório revela que, se a tendência atual for mantida, o mundo terá o primeiro trilionário em uma década, enquanto o fim da pobreza não será alcançado antes de 229 anos. A Oxfam defende uma série de medidas para interromper esse ciclo de acúmulo de riqueza, como oferta de serviços públicos, regulação de empresas, quebra de monopólios e criação de impostos permanentes sobre riqueza e lucros excedentes.

A diretora executiva da Oxfam Brasil, Katia Maia, ressalta que os super-ricos concentram cada vez mais poder, além de riqueza, e que isso agrava as desigualdades no mundo. No Brasil, a desigualdade de renda e riqueza anda em paralelo com a desigualdade racial e de gênero e o super-ricos são quase todos homens e brancos. Para construirmos um paí­s mais justo e menos desigual, precisamos enfrentar esse pacto da branquitude entre os mais ricos , diz Katia, em nota.

A desigualdade no Brasil

Os destaques do relatório em relação ao Brasil mostram que, em média, o rendimento das pessoas brancas é mais de 70% superior ao das negras. Quatro dos cinco bilionários brasileiros mais ricos tiveram aumento de 51% da riqueza desde de 2020. Enquanto isso, no mesmo perí­odo, 129 milhões de brasileiros ficaram mais pobres.

A pessoa mais rica do paí­s tem fortuna equivalente ao que tem a metade da população mais pobre do Brasil, ou seja, 107 milhões de indiví­duos. A parcela de 1% dos mais ricos tem 60% dos ativos financeiros do Brasil.

Publicado na data de iní­cio do Fórum Econômico Mundial de 2024, que reúne a elite do mundo corporativo em Davos, na Suí­ça, o relatório mostra que sete das dez maiores empresas do mundo têm um bilionário como CEO (diretor executivo) ou principal acionista. Tais empresas têm valor estimado de US$ 10,2 trilhões, mais do que o Produto Interno Bruto (PIB) combinado de todos os paí­ses da áfrica e da América Latina.

Katia Maia ressalta que o poder corporativo e monopolista desenfreado é uma máquina geradora de desigualdade, que pressiona trabalhadores, promove a evasão fiscal, privatiza o Estado e estimula o colapso climático. A conclusão é que as empresas estão canalizando a maior parte da riqueza gerada no mundo para uma í­nfima parcela da população, que já é super-rica.

E também estão canalizando o poder, minando nossas democracias e nossos direitos. Nenhuma empresa ou indiví­duo deveria ter tanto poder sobre nossas economias e nossas vidas. Ninguém deveria ter US$ 1 bilhão! , acrescenta Katia. A Oxfam destaca como os monopólios farmacêuticos privaram milhões de pessoas das vacinas contra a covid-19 durante a pandemia, criando o que chamou de um apartheid (segregação) vacinal, enquanto um grupo de bilionários continuava enriquecendo.

Riqueza í s custas de todos

Para o diretor executivo interino da Oxfam Internacional, Amitabh Behar, o que a sociedade está testemunhando é o começo de uma década de divisão, com bilhões de pessoas sofrendo os impactos da pandemia, da inflação e das guerras, ao mesmo tempo em que as fortunas dos bilionários continuam em ascensão. Essa desigualdade não é acidental. A classe dos bilionários está assegurando que as corporações entreguem mais riqueza a eles próprios í s custas de todos nós , afirma, em nota.

Dados do relatório revelam também que, a cada US$ 100 de lucro obtido por cada uma das 96 maiores empresas do mundo entre julho de 2022 e junho de 2023, US$ 82 foram pagos a seus acionistas mais ricos.

A análise dos dados do World Benchmarking Alliance, feita pela Oxfam em mais de 1.600 grandes corporações, mostrou que apenas 0,4% estão publicamente comprometidas com o pagamento de salários justos. A entidade estima que levaria 1,2 mil anos para uma mulher que trabalha no setor de saúde ganhar o montante que um CEO médio de uma das empresas da lista de 100 maiores da revista Fortune ganha em um ano.

Com informações de Brasil de Fato, Oxfam e Forbes