SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE

INOMINÁVEL

Tripudiando sobre trauma do incêndio da Boate Kiss, deputado bolsonarista defende que estudantes da UFSM sejam “queimados vivos”

O incêndio na Boate Kiss, em Santa Maria, em 2013, causou a morte de 242 pessoas, a maioria estudantes; mais de 600 pessoas ficaram feridas e são muitas as que ainda têm sequelas físicas. A tragédia, de repercussão mundial, marcou a história da cidade e quem nela vive. Pois foi exatamente sobre essa ferida que o deputado federal Bibo Nunes (PL-RS) tripudiou ao dizer, em uma transmissão na internet, nessa quinta-feira, 20, que os estudantes da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) merecem ser “queimados vivos”.

Em resposta aos ataques, será realizado, na segunda-feira, 24, às 11h30min, em frente ao prédio do Restaurante Universitário central (campus da universidade em Camobi), um ato público intitulado “Ato em defesa da UFSM! Não ao ódio e à violência contra os(as) estudantes”. A convocação é das entidades representativas dos segmentos: Sedufsm, Assufsm, DCE, APG, Atens e Sinasefe.

Discurso de ódio e desinformação

No vídeo, Bibo Nunes critica os alunos e alunas da UFSM que protestaram contra o corte de verbas nas instituições de ensino superior, promovidas pelo governo de Jair Bolsonaro (PL). Esses cortes estão praticamente inviabilizando o funcionamento das instituições.

Entre outras ofensas, o deputado chama os estudantes de “parasitas” e afirma que “são a vergonha, a escória do mundo, vocês têm que viver no lixo, no esgoto, porque vocês produzem nada, vocês são uns coitados, uns miseráveis” e que pegam “dinheiro do papai e da mamãe” para comprar drogas de traficantes. Ele afirma que os universitários são ricos e que “Ser rico não é problema, agora ser rico e não ter noção como esses daí é o filme ‘Tropa de Elite’. Olha o filme um, sabe o que aconteceu? Pegaram aqueles coitadinhos, riquinhos, e queimaram vivos dentro de pneus. E é isso que esses estudantes alienados, filhos de papai que têm grana, merecem”.

Além de cruel e criminosa, a fala do deputado não é verdadeira, também, em relação à realidade das universidades federais do país. A quinta Pesquisa do Perfil Socioeconômico dos Estudantes das Universidades Federais, divulgada em 2019, apontava que 70,2% dos estudantes das federais brasileiras são de baixa renda, com renda familiar per capita de 1,5 salário mínimo; na outra ponta, os que têm renda familiar superior a 10 salários mínimos eram menos de 1% do total dos discentes. A mudança no perfil dos universitários está diretamente ligada à Lei de Cotas, que reserva vagas para estudantes oriundos de escolas públicas e também tem um recorte étnico-racial.

MPF instaura procedimento para investigar Bibo Nunes

Conforme notícia do site GZH, o Ministério Público Federal (MPF) no Rio Grande do Sul vai instaurar um expediente para investigar declarações de Bibo Nunes (PL). O expediente a ser instaurado será um procedimento preparatório pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC). Se algum crime for verificado, cópia será encaminhada para a Procuradoria-geral da República para investigação, já que o parlamentar possui foro privilegiado.

Ao mesmo tempo, no que for relativo a dano moral coletivo, o caso seguirá na PRDC. Esse expediente pode resultar num Termo de Ajustamento de Conduta ou numa ação civil pública por dano moral coletivo. O parlamentar será notificado para prestar esclarecimentos por escrito. Esse expediente seria instaurado de ofício, ou seja, por iniciativa da própria PRDC, mas uma pessoa decidiu também denunciar.

Comunidade acadêmica repudia fala do deputado

Estudantes, professores e professoras e o corpo técnico da UFSM se manifestaram repudiando o vídeo do deputado bolsonarista. Em nota, a Reitoria afirma que a Universidade Federal de Santa Maria “repudia todo e qualquer discurso de ódio, de falta de civilidade, que não tolere as diferentes opiniões ideológicas e políticas e que incentive agressões à comunidade acadêmica ou a quem quer que seja. Nossos estudantes são nosso maior patrimônio e é através deles e do conhecimento gerado nas universidades que transformamos a sociedade. Toda vez que um estudante ou um servidor público da área da educação for atacado e/ou desqualificado, nos ergueremos em defesa da nossa comunidade e da nossa instituição, que é de Estado e não de um governo.

Sobre os cortes orçamentários, “que sofremos ano após ano”, a nota destaca que “não é somente neste período eleitoral que estamos sendo atacados. São diferentes tentativas de desqualificar a UFSM em razão de defendermos a educação pública de qualidade e, principalmente, por prezar pela livre expressão e pelo respeito à democracia”.

“Não apenas a comunidade acadêmica, mas toda a sociedade, de Santa Maria, do Rio Grande do Sul e do Brasil, recebeu com muito espanto essa declaração, um deputado atacando diretamente os estudantes não apenas pelos protestos contra o confisco de dinheiro das universidades promovido pelo governo Bolsonaro, como também dizendo que a gente era escória, que a gente devia viver no lixo e, ainda, que a gente mereceria ser queimado vivo”, disse em entrevista ao Sintrajufe/RS o coordenador-geral do Diretório Central de Estudantes (DCE) da UFSM, Luiz Boneti. Ele explicou que o DCE está buscando apoio do Legislativo, das entidades, das instituições, para levar ao Ministério Público, que já está iniciando as investigações, a fim de que sejam tomadas as devidas providências. “Esse deputado tem que ser responsabilizado por esse discurso de ódio que tem sido promovido pelo bolsonarismo, em especial, que tem gerado um clima de violência cada vez maior no nosso Brasil”.

O líder estudantil lembra que os ataques não são uma novidade. Em 2019, por exemplo, o empresário bolsonarista Luciano Hang esteve na cidade, atacou a UFSM e disse que os estudantes eram “zumbis” e não contribuíam com nada para a sociedade. “Não queremos mais essa política do ódio, da violência, que é representada por Bolsonaro e seus aliados”, disse Boneti. “Estamos muitos felizes por ver tanto apoio da sociedade; lançamos uma abaixo-assinado que já está com mais de 6 mil assinaturas. Ao contrário do que eles querem, não vamos nos sentir intimidados, a gente tem que mostrar que quem está errado é quem deseja e diz que estudantes merecem morrer. A gente tem muita certeza de que o que a gente produz nas universidades é essencial para o futuro do nosso Brasil”.

A Seção Sindical de Docentes da universidade (SEDUFSM), em nota, manifestou “o seu repúdio em decorrência das declarações do deputado federal Bibo Nunes sobre estudantes […] O deputado confunde imunidade parlamentar com impunidade, e liberdade de expressão com crime. […] O parlamentar sugere que os(as) estudantes que foram a manifestações contra os cortes na Educação, promovidos pelo governo, sejam “queimados vivos”. Além de sugerir uma atrocidade, o deputado esquece a dor pela qual Santa Maria ainda vive pela tragédia da Boate Kiss, em que estudantes morreram queimados(as)”.

A entidade afirma que “Além de criminosas, as falas do parlamentar são preconceituosas e mentirosas […] Desde que o atual governo começou, a Educação vem sendo atacada e os recursos são cada vez mais escassos. Assim, protestar contra tais medidas é lutar por uma Universidade plural e de qualidade. […] A SEDUFSM se solidariza com os(as) estudantes, que foram atacados(as) e ofendidos(as) pelo parlamentar e segue na luta em defesa da UFSM, conclamando a todos(as) a também se manifestarem contra o discurso de ódio do parlamentar”.

Em entrevista ao Sintrajufe/RS, a professora adjunta da UFSM Márcia Morschbacher afirma que “a comunidade acadêmica recebeu a fala do deputado Bibo Nunes com profunda indignação e, neste momento, está se mobilizando para responder à altura a mais este ataque e defender a UFSM e nossos/as estudantes, professores/as e técnicos/as administrativos em educação”. Ela ressalta que “o mesmo deputado que ataca os/as estudantes e a UFSM com afirmações falsas e com discurso de ódio e incitação de violência se alinha e defende o projeto de destruição das universidades e institutos federais realizado pelo governo Bolsonaro. Além disso, é gravíssimo afirmar que os/as estudantes devem ser ‘queimados vivos’ – ainda mais em Santa Maria, uma cidade que ainda sofre pela tragédia da Boate Kiss”.

“Ficamos estarrecidos ao tomar conhecimento do vídeo”, disse ao Sintrajufe/RS Jéssica Erd, diretora da Associação de Pós-Graduandos da UFSM. “É algo que nos causa muita dor, muito sofrimento, que nos revolta muito, nos indigna muito, mas que também nos mobiliza para que a gente siga se organizando, lutando e defendendo a educação”. A estudante informou que, APG, DCE e entidades sindicais da UFSM preparam o ajuizamento de uma ação coletiva, uma queixa-crime contra o parlamentar, “para que ele seja responsabilizado por seu ato criminoso, porque ele fere um direito fundamental de qualquer ser humano, que é o direito à vida. Nós podemos divergir de posições políticas, em concepções de mundo, mas jamais podemos ultrapassar a linha que é a defesa da vida das pessoas, e ele faz isso”.

Sobre o ato público marcado para segunda-feira, Jéssica afirma que será “em repúdio à fala do parlamentar e em solidariedade também aos nossos colegas, amigos, familiares das vítimas e sobreviventes da Boate Kiss”. Ela ressalta que Bibo Nunes mexe também em um trauma coletivo, na dor ainda presente na cidade, pois muitos estudantes tiveram sua vida ceifada no incêndio do local. “Ele diz também que nós, estudantes, somos um lixo, que não somos nada, que não produzimos nada. A Universidade Federal de Santa Maria é um motivo de orgulho para a cidade, para o estado do RS e para nosso país.” Jéssica lembra que a UFSM está no ranking de melhores universidades do mundo, e essa posição de excelência só se dá pelo empenho de estudantes, pesquisadores, professores, tanto na graduação quanto na pós-graduação. Ela finaliza afirmando que os estudantes não serão “nem mortos nem queimados; estaremos vivos e organizados defendendo a educação, defendendo a vida e produzindo muito conhecimento”.

Eloiz Guimarães Cristino, coordenador da Associação dos Servidores da UFSM (ASSUFSM), conta que as declarações de Bibo Nunes foram recebidas com muita indignação: “é uma atitude extremista, um extremismo político. É um caso de cadeia. Vamos fazer uma denúncia ao Ministério Público dessa atitude. É a política do absurdo, que está acontecendo especialmente nessa reta final do segundo turno. Nós emitimos nota de repúdio e nos causa indignação, que vamos transformar em rebeldia e continuar na luta intransigente na defesa da educação, da universidade pública gratuita, com qualidade, referenciada socialmente, com autonomia e democracia. Temos que denunciar à sociedade como o bolsonarismo, fascista e genocida, atua contra as instituições públicas, contra o povo brasileiro, cometendo crimes. O deputado deve ter confundido a imunidade parlamentar com a impunidade. Queremos que seja feito o que tem que ser feito para enquadrar dentro da legislação criminal o deputado Bibo Nunes”.

Sintrajufe/RS, com informações de O Globo, GZH e Guia do Estudante.

Atualizado em 21/10/2022, às 19h30min.