SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE

NÃO À PRIVATIZAÇÃO

Tribunal de Contas do Estado do RS suspende venda de ações da Corsan

Ler conteúdo

O Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul (TCE) determinou nessa quarta-feira, 6, que o governo de Eduardo Leite e Ranolfo Viera Jr. (PSDB) suspenda o processo de oferta pública de ações da Companhia Rio Grandense de Saneamento (Corsan), que estava deveria ser concluído este mês. A decisão ocorreu após a grande mobilização dos trabalhadores e trabalhadoras, realizada no último dia 28 de junho, em Porto Alegre, que reuniu mais de cinco mil pessoas em defesa da água e do saneamento público e contra a privatização da Corsan e do Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE) da capital gaúcha.

O TCE acolheu posicionamento do corpo técnico do órgão e do Ministério Público de Contas de que a oferta pública de distribuição primária e secundária de ações ordinárias não pode ocorrer sem a “promoção de fundamentadas correções na modelagem econômico financeira adotada para a desestatização” da entidade. O Tribunal também determinou que estas correções devem ser incorporadas no preço mínimo admitido para a venda das ações. A decisão é endereçada ao governador do Estado, Ranolfo Vieira Júnior, e ao presidente da Corsan, Roberto Barbuti.

A privatização da Corsan foi autorizada pela Assembleia Legislativa em 31 de agosto de 2021, o que estava previsto para ocorrer por meio de oferta pública inicial de ações (IPO). A partir do IPO, o Estado passaria a ter cerca de 30% das ações da empresa, deixando de ser acionista controlador para ser acionista de referência. A expectativa do governo era concluir o processo neste mês de julho.

Editado por Sintrajufe/RS; fonte: CUT/RS.