SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE

INFORMAÇÃO

T-Liga destaca mobilizações de servidores por reposição salarial e em defesa da Justiça

Ler conteúdo

Começa a ser distribuído nesta segunda-feira, 25, a nova edição do T-Liga. O destaque é a luta unificada das servidoras e dos servidores públicos federais pela recomposição emergencial de 19,99%. Mobilizações contra a extinção de varas trabalhistas e pelos direitos da categoria e denúncias de movimentos da cúpula da magistratura rumo a uma reforma administrativa por dentro do Judiciário são assuntos presentes no boletim.

A matéria de capa é a campanha salarial unificada, que teve início em janeiro de 2022. É feito um retrospecto das mobilizações, que contaram com a participação do Sintrajufe/RS, em atos públicos em Porto Alegre e em Brasília, e as perspectivas reais de reposição para o Judiciário Federal e o Ministério Público da União.

O boletim mostra a cobrança para que seja assegurada a segurança de servidores e servidoras da Justiça Eleitoral nas eleições de 2002 e posição do TSE.

Mostra também a luta contra o fechamento de nove varas trabalhistas no RS, ameaça trazida pela resolução 296/2021 do Conselho Nacional de Justiça, que coloca em risco 69 unidades em todo o país. Além de uma grande campanha de mídia, o sindicato atuou junto às Câmaras de Vereadores dos locais atingidos e participou de audiências públicas no interior e em Porto Alegre, promovida pela Assembleia Legislativa do estado.

Outros ataques à Justiça impetrados internamente, pela cúpula do Judiciário, também são tratados no boletim: a criação de novos gabinetes no TRF4 sem previsão de funções comissionadas e cargos em comissão e com ameaça de retirada de funções e extinção de setores; a criação da “residência jurídica”, pode levar à substituição de servidoras e servidores concursados por pessoas de fora do quadro para realizar diversas tarefas, inclusive assistente de juiz; e o pedido do futuro ministro do TST, Sergio Pinto Martins, indicado por Jair Bolsonaro (PL), para terceirizar 217 vagas de secretários e secretárias de audiência no TRT2, de São Paulo.