SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE

INCLUSÃO

Sintrajufe/RS participa de ato para pressionar Sebastião Melo a vetar projeto que proíbe linguagem neutra

Ler conteúdo

Nessa terça-feira, 24, o Coletivo da Parada Livre de Porto Alegre, do qual o Sintrajufe/RS faz parte, representado pelo Núcleo da Diversidade Sexual, realizou ato público em frente à Prefeitura de Porto Alegre. O objetivo foi pressionar o prefeito Sebastião Melo a vetar o projeto de lei 77/2021, que veta o uso da linguagem inclusiva no município.

O PL foi aprovado pela Câmara de Vereadores de Porto Alegre dia 4, e proíbe o uso da linguagem neutra em escolas do município. O texto também veta o emprego do dialeto neutro, que é conhecido também como linguagem não binária, em toda a comunicação escrita e verbal com a população em geral, realizada por parte da administração pública municipal.

A linguagem neutra representa pessoas não binárias — que não se identificam com o gênero masculino ou feminino — com uso de substantivos, adjetivos e pronomes neutros, como “menine”, “todxs” e “amigue”. Seu uso aumentou nos últimos anos como forma de inclusão de transexuais, travestis, queer, intersexuais e demais não binários, para que a fala e a escrita promovam maior inclusão.


Estavam presentes entidades do movimento social, sindicatos, central sindical e parlamentares. Nas manifestações, os e as manifestantes ressaltaram que as pessoas LGBT, no Brasil, têm sofrido vários ataques nas áreas da educação, cultura, saúde, em consonância com os posicionamentos do governo Bolsonaro e seus apoiadores nos estados e nos municípios. Foi apontado que a chamada linguagem neutra não é neutra, mas inclusiva, e que a língua portuguesa é viva e, assim como a sociedade, também se modifica. Nas falas também destacaram que os que se preocupam com essas mudanças no idioma não mostram a mesma diligência quanto graves problemas nas escolas, como a falta de estrutura básica, segurança e merenda.

A diretora do Sintrajufe/RS Luciana Krumenauer afirmou que o ato foi necessário e importante. Para ela, o PL aprovado pela Câmara é mais um ataque aos direitos LGBT. “A linguagem neutra não vai deixar de existir nem vai deixar de ser usada”, afirmou, avaliando que o projeto é mais uma forma de tentar intimidar, uma violência contra essa população. “Esperamos que o prefeito vete, tendo em vista até a participação da prefeitura na Parada Livre” e seria uma contradição não vetar o PL.

Com informações do Seu Jornal/TVT