SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE

JUSTIÇA FEDERAL

Pressionado, CJF encontra na lei 11.416 solução para evitar redução de CJs e FCs

Ler conteúdo

O Conselho da Justiça Federal (CJF), pressionado pelas entidades que representam servidores e servidoras do Judiciário, como o Sintrajufe/RS, teria encontrado na lei 11.416/2006 (PCS) a solução para estruturar os gabinetes dos novos desembargadores, criados pela lei 14.253/2021, sem previsão de novos cargos de servidores, cargos em comissão ou funções comissionadas. Na 4ª Região, a lei transforma 14 cargos de juiz federal substituto em 12 cargos de desembargadores.

Segundo a lei, a forma de implementação das novas unidades, sem aumento de despesas, ficou a critério dos tribunais regionais. Para dar cumprimento a essa determinação, as administrações dos diversos tribunais vinham propondo medidas como reestruturação de FCs, extinção ou transformação de setores, atingindo um grande número de servidores e servidoras e enfraquecendo o 1º grau.

Diante da pressão das entidades, no dia 24 o CJF julgou e aprovou uma solução que tem por base o art. 24, § único, da lei 11.416/2006 e da estrutura remuneratória dos cargos em comissão do Judiciário Federal, já que, embora orçados os valores integrais, prevalece no PJU a opção pela remuneração do cargo efetivo acrescida de apenas uma parcela do valor dos cargos em comissão. Assim, as diferenças já orçadas seriam utilizadas para a criação da estrutura necessária para os novos gabinetes, sem promover aumento de despesas.

Segue a pressão junto às administrações

O TRF da 2ª Região, em fevereiro, havia editado a resolução 2022/00014, transformando funções comissionadas FC5 em FC4, com transferência do saldo para o 2º grau, tudo feito sem qualquer diálogo com o Sisejufe/RJ, que vem atuando para a revogação do ato administrativo. A associação dos magistrados do Rio de Janeiro ingressou com Reclamação para Garantia das Decisões 0001799-39.2022.2.00.0000, em trâmite no Conselho Nacional de Justiça, pedindo a impugnação da resolução.

No Rio Grande do Sul, foram extintos os cargos de juiz federal substituto previstos, atingindo os seguintes locais: 2ª Vara Federal de Carazinho, 2ª Vara Federal de Erechim, 4ª Vara Federal de Passo Fundo, 1ª Vara Federal de Santiago, 3ª Vara Federal de Santo Ângelo e 2ª Vara Federal de Uruguaiana. O Sintrajufe/RS, juntamente com Sintrajusc/SC e Sinjuspar/PR, encaminharam para a Presidência do TRF4 documento com uma série de apontamentos sobre a questão e solicitando que a implementação da lei fosse feita de forma gradual para dar tempo de formulação de projeto de lei para criar, pelo menos, a estrutura de funções comissionadas e cargos em comissão. O sindicato também participou de reuniões com o presidente do TRF4, desembargador Ricardo Teixeira do Valle Pereira, nas quais reforçou essas reivindicações.

O Sintrajufe/RS aguarda cópia do inteiro teor da decisão do Conselho da Justiça Federal para analisar todas as implicações na implantação da lei 14.253/2021 e poder divulgar à categoria mais informações sobre o tema.