SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE

DESTAQUE

Presidente do Santander defende que trabalhadores compensem supostos ganhos do trabalho remoto dividindo salários com empresas

Ler conteúdo

Em uma entrevista publicada recentemente no Youtube, no canal do Santander Brasil, o presidente do banco no país, Sérgio Rial, dá uma pista sobre um dos caminhos que os mais ricos pretendem seguir para, no contexto da pandemia do novo coronavírus e em sua sequência, produzir um “novo normal” no qual os trabalhadores e as trabalhadoras saiam prejudicados. Rial defendeu que, com o avanço do trabalho remoto, os trabalhadores podem compensar os “ganhos” que terão ao ficar em casa dividindo salários ou benefícios com as empresas que os contratam. A mesma política foi defendida na última semana muito perto da categoria, pelo presidente do TRT do Rio de Janeiro.

O presidente do Santander Brasil foi taxativo: “A gente tá discutindo, se em tudo isso de poupar tempo, você deixa de gastar combustível, tua vida fica mais fácil,  por que não talvez dividir uma coisa dessa com a empresa? Por que que não pode ser um voluntário com alguma abdicação de algum benefício, de algum salário, desde que seja voluntário… e isso, nós vamos construir de uma maneira com diálogo, mas acho que esse é o caminho que pelo menos nós, como Santander, vamos”, disse Rial.

A íntegra da transmissão está disponível no canal do Santander Brasil no Youtube. O trecho da entrevista que trata do trabalho remoto pode ser visto aos 24 minutos e 31 segundos de vídeo.

Devido à pandemia, o Santander chegou aumentar em 20% a quantidade de empréstimos no primeiro trimestre de 2020, o que levou o banco a ter um salto de 10,5% nos lucros registrados ante o mesmo período de 2019. O resultado do lucro líquido foi de R$ 3,853 bilhões, segundo relatórios apresentados pela empresa.

A fala de Rial não está isolada. Os grandes empresários tentam aproveitar a crise para gerar mais lucros às custas da fragilização dos trabalhadores e das trabalhadoras, jogados à informalidade, ao desemprego e à miséria pela falta de proteção social. É a agenda que vem sendo defendida por grandes empresários e banqueiros e tocada pelo governo de Jair Bolsonaro (sem partido) e Paulo Guedes com o desmonte da legislação trabalhista, iniciado com a reforma de 2017 (ainda com Michel Temer) e que agora é aprofundado. No horizonte, medidas como o “Programa Verde Amarelo”, estendendo para todos os trabalhadores e trabalhadoras a realidade de precarização.

Outros atores institucionais também defendem esse caminho, como o Sintrajufe/RS noticiou a respeito da posição do presidente do TRT1, desembargador José Fonseca Martins Junior. Na última semana, ele pronunciou-se a favor da retirada de direitos no novo cenário. Segundo Martins, “a pandemia nos obriga a fazer uma revisão da interpretação das normas do direito do trabalho”, o que inclui o entendimento de que direitos como vale-alimentação e vale-transporte não são necessários. Ou seja, a ameaça, para os servidores e as servidoras do Judiciário Federal, está logo ao lado, e faz parte de uma ampla agenda levada adiante à revelia dos trabalhadores e das trabalhadoras dos setores público e privado e que pode gerar ainda mais prejuízos para quem vive do próprio trabalho.

Com informações da Carta Capital e da Folha de S. Paulo.