SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE

NÃO TEM REFRESCO

Guedes anuncia intenção de nova reforma da Previdência e privatizações do Banco do Brasil e da Petrobras

Ler conteúdo

Nessa segunda-feira, 27, o ministro da Economia, Paulo Guedes, deixou claro que, a cada dia em que o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) continua, os riscos para os trabalhadores e as trabalhadoras aumentam. Em evento promovido pela International Chamber of Commerce (ICC Brasil), Guedes deixou claras suas pretensões para o futuro próximo – e elas não nada animadoras para a maioria dos brasileiros e brasileiras.

Guedes não está satisfeito com o desmonte de direitos promovido nos últimos anos, ele quer mais: “Se você perguntar: o que você gostaria de fazer nos próximos 10 anos? Mudar o regime previdenciário para capitalização”, disse o ministro, para quem a reforma da Previdência já feita pelo atual governo foi “razoável, mas não transformadora”. O modelo de capitalização foi tentado por Guedes na reforma de 2019, mas não prosperou. Em julho de 2020, o Sintrajufe/RS já denunciava a intenção do ministro de retomar a ideia, que agora aparece mais uma vez.

Na capitalização previdenciária, modelo aplicado na ditadura de Augusto Pinochet no Chile e que Guedes quer trazer ao Brasil, cada trabalhador fica responsável por poupar a própria aposentadoria, de forma que o governo também deixa de dar sua contribuição e apaga-se o traço solidário que caracteriza um sistema público de Previdência. Nesse formato, trabalhadores e trabalhadoras ficam abandonados à própria sorte justamente quando mais precisam, na velhice. Se estão desempregados ou com salários muito baixos e não conseguem contribuir, não vão receber nada depois.

“Petrobras, Banco do Brasil…”

No evento de segunda-feira, Guedes foi além, defendendo privatizar todas as estatais: “Qual o plano para os próximos dez anos? Continuar com as privatizações. Petrobras, Banco do Brasil, todo mundo entrando na fila, sendo vendido e isso sendo transformado em dividendos sociais”. Tudo isso, é claro, acompanhado da reforma administrativa que o governo tenta aprovar o quanto antes no Congresso, embora encontre dificuldades para obter os 308 votos necessários.

Frente ao aumento do desemprego e do custo de vida – com inflação galopante e um novo aumento, de quase 9%, no preço do diesel –, a resposta do governo é acelerar o processo de privatização e a reforma administrativa, que coloca em questão a essência dos serviço públicos e, se aprovada, deixará a população ainda mais desassistida.

Declarações de Guedes confirmam que o limite do governo Bolsonaro é o fim de todos os direitos

A cada dia em que o atual governo se mantém, novos direitos são perdidos ou ameaçados. Guedes comprova que não há “direito adquirido” como o governo repete quando defende a reforma administrativa. O governo irá tentar até o fim liquidar todo o patrimônio público, as estatais, a legislação trabalhista e os serviços públicos.

Assim, não se pode mais esperar: é hora de reforçar a luta pelo “Fora Bolsonaro” e o enfrentamento à reforma administrativa. Por isso, no dia 2 de outubro, em todo o Brasil, trabalhadores e trabalhadoras irão às ruas em protesto. O Sintrajufe/RS orienta a categoria a participar das manifestações em Porto Alegre e no interior do estado. Na capital, a atividade está marcada para as 15h, no Largo Glênio Peres, em frente à Prefeitura.

Para os colegas do interior, o sindicato está disponibilizando um modelo de faixa que pode ser confeccionada e levada às manifestações. Clique no botão ao lado para fazer o download: