SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE

DESTAQUE

Existem servidores públicos demais? Estudo demonstra que isso é fake news

Ler conteúdo

Um estudo divulgado pela Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite) desmonta uma antiga farsa apresentada pelos mais ricos para retirar direitos dos mais pobres. O Brasil tem menos servidores, proporcionalmente, do que a média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que reúne 38 nações.

O levantamento feito pela Febrasite reúne dados dos relatórios da OCDE, denominados Government at a Glance 2019 e Government at a Glance Latin America and the Caribbean 2020. Conforme os relatórios, a média de servidores públicos em relação à população empregada é de 17,88%. No Brasil, esse índice é de 12,5%, praticamente igual à média para a América Latina e o Caribe, que é de 12,3%. O país com maior índice é a Suécia, que tem 30,26% da população empregada atuando no serviço público. Nos Estados Unidos, são 15,89%, também acima do Brasil.

O velho argumento do “inchaço”, utilizado como pretexto para desmontar os serviços públicos no Brasil, portanto, não se sustenta. Jair Bolsonaro (sem partido), Paulo Guedes e outros que advogam o desvio de recursos públicos para o bolso dos mais ricos, através de aportes aos bancos, ao mercado financeiro e aos grandes empresários. A emenda constitucional 106/2020, do “Orçamento de Guerra”, é um exemplo desse caminho escolhido, liberando o Banco Central para salvar os bancos.

O atual contexto, de pandemia do novo coronavírus e de todas as consequências econômicas dessa situação, torna ainda mais prejudicial essa agenda: os trabalhadores e as trabalhadoras são abandonados à própria sorte, o governo precariza os serviços públicos e direciona os recursos do povo para os mais ricos, rifando as vidas e os direitos da população. Tudo orientado pelo Banco Mundial, cuja ingerência vem aumentando sob Bolsonaro e que oferece os caminhos que o governo vem seguindo.

FALE CONOSCO

Font Resize
Contraste