SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE

DESTAQUE

Em reunião online, Sintrajufe/RS trata de questões de trabalho durante a pandemia com colegas da JT Passo Fundo e Marau

Ler conteúdo

Em novo encontro, dentro da rodada de reuniões com setores de trabalho, o Sintrajufe/RS reuniu-se, na última quinta-feira, 21, com colegas da Justiça do Trabalho de Passo Fundo e do posto da JT de Marau. Participaram diretoras e diretores do sindicato; o advogado Carlos Guedes, do escritório Silveira, Martins, Hübner, que presta assessoria jurídica ao Sintrajufe/RS; e cerca de 30 colegas das duas cidades. Frente ao crescimento da pandemia do novo coronavírus e ao necessário isolamento social, as reuniões são realizadas via internet. Já aconteceram encontros com a JF Passo Fundo e com secretárias e secretários de audiência da JT de todo o estado.

Passo Fundo foi priorizada porque é um dos maiores focos de incidência de covid-19 no Rio Grande do Sul. A direção fez um relato, explicando que, apesar do isolamento, o Sintrajufe/RS não cessou suas ações durante a pandemia; pelo contrário, atua junto às administrações buscando garantir a segurança de servidoras e servidores, além de estagiários, terceirizados e usuários. Foi ressaltado que a direção defende, enquanto permanecerem graves os números da pandemia, a manutenção do trabalho remoto e, nos casos em que seja considerada essencial a atividade presencial, que os órgãos garantam toda segurança possível, com fornecimento do equipamento necessário. Também foram feitos relatos sobre as ações judiciais relativas à suspensão de aumento das alíquotas previdenciárias e à incorporação da Gratificação da Atividade Judiciária (GAJ) ao vencimento básico, além do projeto de lei 39/2020, que congela salários do funcionalismo até dezembro de 2021.

As colegas e os colegas relataram como está a estrutura no trabalho remoto e também os casos em que precisam sair para atividades de trabalho, problemas com falta de ergonomia e equipamentos de informática. O cuidado com filhos pequenos foi levantado pela colega Gabriela Milani Leal, de Marau; ela entende que o trabalho remoto é necessário, mas ressalta dificuldade, porque tem duas crianças pequenas e “é muito difícil produzir bem nestas condições em casa”. Em saídas necessárias para cumprir alguma tarefa presencial no trabalho, ela fala de um problema adicional, que é encontrar alguém para ficar com as crianças.

Outro assunto que surgiu foi a necessidade de os servidores fazerem a remessa, aos bancos, dos alvarás de pagamento dos advogados. Uma vez que os processos são realizados 100% em meio digital, foi criticado o fato de o advogado não poder ele próprio enviar o alvará por e-mail à instituição bancária. O sindicato avaliará essa demanda para levá-la à administração com o objetivo de que toda essa tramitação de expedição e liberação de alvarás seja de modo informatizado, utilizando-se o processo eletrônico também para esse fim.