SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE

PRECARIZAÇÃO

Desemprego atinge 14,1 milhões de trabalhadores; 71,6 milhões dos empregados não têm direitos garantidos pela CLT

Ler conteúdo

O desemprego se mantém em patamar elevado e aumentou o número de trabalhadores e trabalhadoras sem direitos garantidos na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, do IBGE, divulgada nessa quinta-feira, 30.

A taxa de desemprego do trimestre encerrado em julho foi de 13,7% em comparação ao trimestre anterior. Isso significa 14,1 milhões de pessoas em busca de um emprego no país. Embora a taxa do desemprego tenha recuado em relação ao trimestre encerrado em abril (14,7%), a maioria dos brasileiros e das brasileiras continua sem um emprego decente. O total dos sem direitos garantidos pela CLT são mais de 71,6 milhões.

Os números da precarização:

25 milhões de brasileiros estão trabalhando por conta própria.
36,3 milhões são informais.
10,3 milhões trabalham sem carteira assinada.

Segundo o IBGE, o número de trabalhadores e trabalhadoras por conta própria bateu recorde histórico, desde que a PNAD começou a ser feita, em 2012. A alta foi de 4,7% (mais 1,1 milhão de pessoas) ante o trimestre anterior e 17,6% (3,8 milhões de pessoas) na comparação anual.

O número de empregados e empregadas sem carteira assinada no setor privado (10,3 milhões) subiu 6 % (587 mil pessoas) no trimestre e 19% (1,6 milhão de pessoas) no ano. A taxa de informalidade subiu de 39,8% para 40,8% da população ocupada. São 36,3 milhões de trabalhadores e trabalhadoras informais. No mesmo período do ano passado, a taxa era de 37,4%.

A população subocupada por insuficiência de horas trabalhadas é de 7,7 milhões de pessoas. É um recorde também da série histórica, com altas de 7,2% ante o trimestre anterior (520 mil pessoas a mais) e de 34,0% (2,0 milhões de pessoas a mais) comparado com o mesmo trimestre de 2020.

Fome atinge 19 milhões de brasileiros e brasileiras

Os números de população ocupada, subutilizados e fora da força de trabalho melhoram com a reabertura de várias atividades após o auge da pandemia, mas ainda muito lentamente para diminuir a fome que atinge 19 milhões de brasileiros. Ainda mais se levarmos em conta que, apesar da inflação alta de mais de 10,05%, o rendimento real habitual (R$ 2.508) caiu 2,9% ante o trimestre anterior e 8,8% ante igual período de 2020.

A população ocupada (89 milhões de pessoas) cresceu 3,6% (mais 3,1 milhões de pessoas) ante o trimestre móvel anterior. O nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar) estimado subiu de 48,5% para 50,2%.

A taxa composta de subutilização caiu de 29,7% para 28% em relação ao trimestre anterior. A população subutilizada (31,7 milhões de pessoas) caiu 4,7% (menos 1,6 milhão de pessoas) ante o trimestre anterior (33,3 milhões) e 3,6% (menos 1,2 milhões de pessoas) na comparação anual.

A população fora da força de trabalho (74,1 milhões) caiu 2,9% (menos 2,2 milhões de pessoas) ante o trimestre anterior e 6,1% (menos 4,8 milhões de pessoas) no ano.

A população desalentada (5,4 milhões de pessoas) caiu 10% ante o trimestre anterior (menos 595 mil pessoas) e 7,3% no ano (menos 426 mil pessoas). O percentual de desalentados na força de trabalho ou desalentada (5%) caiu em relação ao trimestre anterior (5,6%) e na comparação anual (5,7%).

O número de empregadores e desempregadas com CNPJ foi menor da série histórica, sem variação significativa no trimestre e recuando 7,4% (menos 240 mil pessoas) no ano.

O número de trabalhadoras e trabalhadores domésticos (5,3 milhões) aumentou 7,7% (mais 381 mil pessoas) ante o trimestre anterior e 16,1% (mais 739 mil pessoas) no ano.

Fonte: CUT Brasil