SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE

ASSÉDIO NA CAIXA

Caixa Econômica Federal persegue e manda bancários com alta qualificação, que exerceram postos de comando em gestões anteriores, cuidarem de filas em agências

Ler conteúdo

Entre o final de 2020 e o começo de 2021, a direção da Caixa Econômica Federal, ainda sob o comando do ex-presidente Pedro Guimarães, investigado por assédios moral e sexual, transferiu 123 trabalhadores altamente qualificados da matriz para agências bancárias em um intervalo de apenas 90 dias. Mais uma demonstração de que o assédio transformou-se, sob o governo de Jair Bolsonaro (PL), em método de gestão na Caixa e em outros órgãos.

Nos novos locais de trabalho, os bancários, muitos deles com pós-graduação e cursos pagos pela instituição financeira, cuidam de filas ou distribuem senhas para atendimento com gerentes. Esses trabalhadores, com salários de R$ 30 mil até R$ 45 mil, estão no grupo dos que chegaram ao topo da carreira, mas dividem as mesmas funções com servidores recém-ingressados no banco, que ganham cerca de R$ 3 mil, como mostrou reportagem do jornal Folha de S. Paulo, publicada na segunda-feira, 18. Como os servidores exerceram os cargos anteriores por mais de dez anos, os salários mais altos foram incorporados, mesmo desempenhando agora outras atividades. Segundo o jornal, o caso está sendo investigado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT).

De acordo com entidades sindicais que representam os bancários, o contingente de transferidos é ainda maior e a razão são as retaliações contra trabalhadores que exerceram postos de comando no banco durante governos anteriores. Além disso, são punidos aqueles que tiveram algum atrito com a alta direção ligada a Pedro Guimarães.

Um dos casos que chamaram a atenção da mídia ocorreu em uma confraternização de final de ano, quando o ex-presidente constrangeu gerentes e lideranças da instituição obrigando todos a fazerem flexões comandados por um general. E ainda mandou os bancários darem cambalhotas acompanhados por uma ginasta profissional.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e a Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae) apontaram ao MPT que as transferências foram feitas abruptamente, com “critérios discriminatórios” e falta de transparência. As associações sindicais dizem ainda que, em alguns casos, as movimentações feitas pelo banco queriam forçar os funcionários mais antigos a deixar a empresa por meio do programa de desligamento voluntário.

Em nota, a Caixa disse que “realiza a movimentação interna de seus empregados, conforme a legislação em vigor e observando as necessidades estratégicas do banco”. A empresa afirmou que é a maior instituição financeira do país em número de clientes e que os bons resultados são reflexo do trabalho dos 250 mil trabalhadores, incluindo 87 mil empregados.

A empresa afirmou ainda que existem investigações internas em andamento, que o Conselho de Administração determinou a contratação de empresa externa e independente para verificar todos os casos e que o canal de denúncias é gerido por entidade externa, que se responsabiliza pela preservação da identidade dos denunciantes.

Editado por Sintrajufe/RS; fonte: CUT/RS.