SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE

MOBILIZAÇÃO

Bolsonaro pode “trair” policiais; Sintrajufe/RS participa dia 18 de ato unificado em Brasília por reajuste para o funcionalismo

Ler conteúdo

Depois da vitória da mobilização unificada dos servidores das 3 esferas que obrigou o governo Bolsonaro e Arthur Lira (PP-AL) a não votar a PEC 32, da reforma administrativa, em 2021, agora é a vez da luta pelo reajuste salarial do funcionalismo tomar corpo. Bolsonaro já começa a ser chamado de “traidor” pelas categorias escolhidas por ele para receberem reajuste em 2022 por recuar das promessas assumidas. Só a pressão dos servidores que pode arrancar um reajuste emergencial ainda este ano. 

No último sábado, 8, Bolsonaro sinalizou que todas as categorias de servidores podem ficar sem nada de reajuste: “Não está garantido o reajuste para ninguém (…). Não tem espaço no orçamento. Pode ser que não tenha reajuste para ninguém. Tudo é possível”, disse. Isso depois de passar semanas especulando que poderia conceder algum aumento, “que seja 1%”.

O mercado também não quer que os servidores tenham aumento. Em vídeo para o jornal Valor Econômico, o diretor-executivo para as Américas do grupo Eurasia, Christopher Garman, disse que o governo não deve “ceder à pressão dos servidores por aumento salarial”. Por outro lado, advertiu, nesse cenário “o risco de greve é grande”. O argumento de Garman é de que existe “muito pouco espaço para conceder qualquer tipo de reajuste”, já que “o orçamento de 2022 só provisionou 1,7 bilhões de reais para reajustes. Isso nem é suficiente para cobrir as perdas inflacionárias para a Polícia Federal, nem o aumento de 1% para todas as categorias”. Assim, conforme Garman, “para cumprir o teto, ou o governo pode dar um aumento pequeno para categorias muito seletas, ou dar aumento para ninguém. Qualquer escolha deve gerar uma insatisfação muito grande”, admitiu.

Mobilização em Brasília com ato unificado

Nesse contexto e após anos de congelamento e perdas, servidores de todo o país começam a preparar a mobilização. Auditores da Receita Federal e funcionários do Banco Central já se movimentam nesse sentido. Agora, diversas categorias de servidores federais preparam mobilizações unitárias em torno da pauta. As federações estão neste momento discutindo um índice de reajuste emergencial a ser reivindicado já para os próximos meses.

A construção de uma campanha salarial unificada terá um momento importante no dia 18 de janeiro, para quando centrais, federações e sindicatos marcaram um dia de lutas. O Sintrajufe/RS estará presente na capital federal para reforçar as manifestações. Além disso, a direção do Sintrajufe/RS também irá convocar uma assembleia geral para discutir com a categoria os próximos passos da mobilização.