SINDICATO DOS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO - FUNDADO EM 28 DE NOVEMBRO DE 1998 - FILIADO À FENAJUFE

FEIRÃO DE DEPUTADOS

Bolsonaro é flagrado perguntando quanto vale uma vaga no STF; os deputados, ele quer comprar com R$ 20 milhões cada

Ler conteúdo

Sem saber que estava no ar durante o intervalo de uma entrevista que concedeu pela internet nessa quarta-feira, Jair Bolsonaro (sem partido) fez comentários dando uma verdadeira aula sobre como receber propina. Nesse contexto, chegou a questionar: “Quanto vocês acham que custa uma vaga pro Supremo?”. Percebeu, então, que estava no ar, e desconversou. Mas os esquemas de Bolsonaro são conhecidos, da rachadinha à tentativa de comprar votos para aprovar a reforma administrativa (PEC 32/2020). Se ele não sabe por quanto poderia vender uma vaga no STF, o preço para os parlamentares já foi definido: R$ 20 milhões para cada voto a favor da PEC 32.

No momento, o governo parece ter passado à frente da reforma administrativa a PEC dos Precatórios, outra proposta que causa polêmica na Câmara. Assim como faz com a PEC 32, o governo também usa a dos Precatórios como objeto de chantagem para pagar o Auxílio Brasil de R$ 400. A estratégia é a mesma: tenta pressionar os parlamentares e a opinião pública dizendo que precisa das PECs aprovadas para pagar o Auxílio. Assim, busca eximir-se da responsabilidade caso não implemente o programa social e, ao mesmo tempo, força a aprovação de medidas que encontram resistência entre deputados e deputadas.

Soma-se a isso a tática mais direta da compra de votos por meio de emendas parlamentares. Caso consiga a aprovação da PEC dos Precatórios, Bolsonaro e Paulo Guedes conseguirão liberar recursos para pagar mais emendas parlamentares “de relator”, as menos transparentes, para comprar deputados. Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo publicada nesta quinta-feira, 28, denuncia que o governo pretende ampliar os gastos com esse tipo de emenda em 2022, ano eleitoral. O jornal explica que a PEC dos Precatórios permitiria abrir espaço no Orçamento, R$ 83,6 bilhões, que seria usado para o Auxílio Brasil e para as emendas. As mesmas com as quais o governo quer comprar os votos da reforma administrativa, pela qual prometeu R$ 20 milhões a cada deputado.

Envie mensagens a deputados e deputadas do RS e pressione contra a PEC 32!

Se você não enviou, envie. Se já fez, envie novamente. A luta contra a PEC 32/2020 precisa ser intensificada, pois a proposta pode ser votada no plenário da Câmara em outubro. Para aprovação, o governo precisa de 308 votos (três quintos) e vai fazer de tudo para conseguir.

O futuro dos serviços públicos e os direitos da população e dos servidores e servidoras está ameaçado pela reforma administrativa (PEC 32/2020) de Guedes e Bolsonaro. Por isso, vamos aumentar a mobilização. A pressão sobre deputados e deputadas tem que ser total. Mande mensagens por WhatsApp e e-mail, comente nas redes sociais deles. Com nossa mobilização, podemos derrotar essa proposta.

Já enviaram ao Sintrajufe/RS mensagens no mesmo sentido as deputadas Fernanda Melchionna (Psol) e Maria do Rosário (PT) e os deputados Bohn Gass (PT), Henrique Fontana (PT), Heitor Schuch (PSB), Marcon (PT), Paulo Pimenta (PT) e Pompeo de Mattos (PDT). O PSB também já manifestou posição contra a proposta, assim como o deputado Afonso Motta (PDT).

Veja abaixo os contatos dos deputados do PTB e do Republicanos:

PTB – Partido Trabalhista Brasileiro

Já votou contra os serviços públicos e a favor da PEC 32 na CCJ e na Comissão Especial da Câmara.

MARCELO MORAES (PTB)
E-mail:
dep.marcelomoraes@camara.leg.br
Facebook: https://www.facebook.com/oficial.marcelomoraes/
Instagram: https://www.instagram.com/depmarcelo.moraes/
Whatsapp: 51 998331412

Republicanos – Partido Republicanos